quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Cairo - Egito





Vista noturna da cidade





 Visto e vacina

Ao viajar para o Egito é obrigatório a obtenção de visto e certificado Internacional de vacinação contra febre amarela, informações sobre as formas de solicitação de visto e documentos necessários, podem ser obtidos no site da Embaixada da República Árabe do Egito no Brasil: http://www.opengate.com.br/embegito
Fizemos nossa solicitação e retirada do visto no Consulado do Egito no Rio de Janeiro - R. Muniz Barreto, 741 - Botafogo, Rio de Janeiro.

Como iríamos de Dubai para o Cairo e do Cairo para Istambul, deveríamos ter solicitado o visto com múltiplas entradas no país, mas não fizemos.


Por isso, ao retornarmos de Istambul para o Cairo, tivemos que passar pelo processo de solicitação de visto no desembarque, ao custo de $15 dólares.


A vacinação contra febre amarela pode ser feita em qualquer posto de saúde gratuitamente, utilizando a carteira de identidade. Lembrando que precisa ser tomada com antecedência mínima de 10 dias à viagem. 
Para quem já tomou a vacina (no prazo de até 10 anos) pode obter o Certificado Internacional de Vacinação em um dos centros de atendimento espalhados pelo Brasil: Centro de Orientação do viajante.

Desembarque

Desembarcamos no aeroporto Internacional do Cairo - Terminal 1, em meados de maio de 2013, vindos de Dubai no voo EK-927 da Fly Emirates (veja também: voando Emirates ), em uma época nada propícia para o turismo. Compramos nossas passagens com 6 meses de antecedência e já sabíamos que a situação política do país, com o novo presidente eleito em 2012 após 3 décadas da "ditadura" de Mubarak, desencadeava manifestações cada vez mais frequentes. 


No desembarque, dentro do aeroporto ainda, toda a vontade e espera para conhecer uma das regiões mais antigas da civilização, começava a nos desanimar ao nos mostrar que é também uma das "menos civilizadas". Ao longo deste "post" isso será esclarecido.

Já tínhamos em mente que ao colocarmos os pés em solo Egípcio, teríamos que nos manter atentos a todos os tipos de "malandragens" dos caçadores de gorjeta. Só não sabíamos que o assédio aconteceria logo no desembarque, antes mesmo de acessar as esteiras de raio-x e passar na imigração. Como éramos um dos poucos turistas fomos alvos fáceis. 
Fomos abordados pelo primeiro homem que já veio colocando a mão em uma das malas para ajudar, dissemos que não precisava. Antess de colocarmos algumas malas na esteira, fomos abordados por um segundo homem, esse agora uniformizado, foi se apresentando como agente de turismo autorizado pelo aeroporto, acabamos parando para escutar sobre os serviços de táxi e passeios que tinha a oferecer. Foi falando e ajudando o meu pai com as malas. Eu, um pouco mais à frente, já estava sendo abordado pelo funcionário do raio-x, que me fez abrir as malas e começou a olhar o que havia entre as roupas. Só parou a vistoria ao ser informado pelo agente de turismo que estávamos com ele - uma máfia só! Dali para frente era assim, se não fosse para perder tempo, "propina" neles. Com segurança digo, no Egito, tudo é na base da gorjeta. Enfim, passado raio-x, detector de metais, revista e imigração, continuamos conduzidos pelo agente de turismo, até um pequeno stand onde nos passou altíssimos preços de passeios pelo Egito. Fechamos com ele apenas o transfer para o hotel, efetuamos o pagamento com ele, tivemos nossas malas levadas por outra pessoa até o estacionamento e lá um terceiro homem repassou o serviço para uma quarta pessoa - o motorista do taxi, ufa! rs. Já cansados, fechamos logo com o motorista a tão esperada ida até as pirâmides de Gizé no dia seguinte pela manhã.

Hotel

Nos hospedamos no Shepheard Hotel & Cassino, localizado na parte central do Cairo, de frente para o Rio Nilo, a poucos metros do Museu do Egito. Talvez nossos descontentamentos com o país se deva por conta disso. Não pelo hotel que é excelente, mas pelo contato constante com os Nativos. Era sair do hotel e ser perturbado por pessoas querendo vender algo ou serviço para turistas. A minha dica seria, ficar em um resort em uma região mais afastada e só sair de lá em passeios fechados com guia turístico.


O Hotel é bem grande, os apartamentos são grandes, com sala, varanda e suítes com banheira sem hidro. Conta com um excelente restaurante no térreo. O café da manhã é pago à parte e muito bem servido com sucos, croissant's, pães, frutas secas e em caldas, geleias e omeletes de diversos sabores que são preparados na hora. 
Já o cassino é um convite à trapaça e dispensa comentários, cassino é cassino em qualquer parte do mundo, mas no Egito...rs

Vista do Rio Nilo da varanda do quarto

Apesar da excelente comida servida, jantar no restaurante do Hotel tornava-se cada vez mais estressante. Todo o restaurante era envidraçado e ocupava uma grande esquina voltada para o caos que é o trânsito no Cairo. Brigas de trânsito (motoristas saindo no soco mesmo), buzinas, motos circulando com 3 ocupantes, carros mudando de mão repentinamente foram algumas da cenas presenciadas. 


Moto com 3 ocupantes sem capacete

Alimentação

Todas as refeições eram feitas no próprio restaurante do hotel por segurança... 

Jantar Hotel

Café da manhã no hotel


...mas resolvi arriscar experimentar uma espécie de milho assado na rua.


Ao comprar água mineral na rua é bom verificar se o lacre está intacto. Consumir água que não seja mineral é extremamente proibido, a não ser que queira adquirir alguma bactéria que estrague toda a sua viagem. 

Armazém de grãos e castanhas


Experimentamos também um camarão empanado em uma lanchonete que vendia diversos frutos do mar fritos à quilo. Todos eram manipulados pelas mãos do atendente sem luvas, os peixes eram lançados da janela da cozinha direto para a expositora do balcão. Foi o melhor camarão empanado que já comemos e não passamos mal.



A comercialização de bebida alcoólica nas ruas é proibida. Pode ser consumida apenas em hotéis e alguns restaurantes. É frequente vermos geladeiras expositoras com belas latas de cerveja - sem álcool, mas com algumas andanças, encontramos um "fora da lei" que vendia a famosa Stella Egípcia. 


É óbvio que iríamos pagar um preço alto, mas o erro foi nosso de não perguntar antes de consumir, pelo menos lembramos de perguntar antes de partir para a próxima. 50 libras egípcias (aprox. R$16,00) cada lata.

 
Museu do Egito


O Museu do Egito é um dos mais importantes e fascinantes do mundo. Está localizado na Praça Tahrir, a maior praça pública do centro do Cairo, quase sempre palco de grandes manifestações. 

Como estávamos hospedados bem próximo ao Museu, e já sabíamos que não é permitido entrar com câmeras fotográficas, aproveitamos o final da tarde, já com o museu fechado,  para tirarmos algumas fotos da fachada sem os visitantes ao fundo.

Ao entrar no pátio do museu nos deparamos com 2 esfinges, uma de cada lado. Ao passar pela porta principal, os visitantes passam por detector de metais e raio x. Câmeras devem ser guardadas em porta volumes, a dica é não levá-las neste dia.


Na parte superior da porta de entrada, está a cabeça da deusa Hathor, uma das mais antigas e famosas deusas egípcias.


  Muitas estátuas estão localizadas ao ar livre no pátio do Museu.






Ao lado do Museu, havia um prédio que nos deixou bastante intrigados. 


A impressão que tivemos, foi que não houve tempo hábil para retirar os carros estacionados. Não consegui descobrir se foi um incêndio criminoso ou alvo de algum protesto!


site: http://www.sca-egypt.org/eng/MUS_Egyptian_Museum.htm 


Rio Nilo

Passear pela avenida beirando o Rio Nilo pode ser bastante agradável, se conseguir não se passar por turista. É um lugar em que turistas se tornam alvos fáceis, evite passear de bermuda, boné, mochila e óculos escuros. Insultos na língua nativa foram facilmente identificados, ao passarmos por alguns grupos que veem o turista como "invasor".
Já havíamos lido em blogs que corresponder a convites de apertos de mão no Cairo, é dar margem para sofrer algum tipo de golpe, nós mesmos fomos abordados diversas vezes, como não correspondemos, não sabemos quais são os golpes aplicados. São comuns também pessoas oferecerem visitas a algumas lojas de papiros (na grande maioria falsos) pela cidade. 

Deixando um pouco de lado os transtornos, diversas embarcações ficam atracadas ao longo da avenida oferecendo shows, jantares e passeios.

Scarabee, embarcação bastante famosa



Detalhe para as crianças nadando nas águas poluídas do Nilo
















 
Fábrica de Papiros

A caminho das pirâmides de Gizé, o taxista fez uma parada "forçada" na fábrica de Papiros, próxima das pirâmides, em nome da comissão que levaria pelas vendas. Na hora ficamos receosos, mas logo nos encantamos com os trabalhos desenvolvidos ali. 


As lojas de papyrus no Egito, possuem no nome a palavra "Museum", mas são apenas lojas que comercializam obras novas à venda. Visitamos a loja "Museum Papyros", fomos atendidos por um funcionário, que ao saber que éramos brasileiros, foi arranhando um espanhol para explicar todo o processo de fabricação dos papiros e as principais diferenças entre o papiro verdadeiro dos falsos, comumente comercializados pelo Egito. 

Processo de fabricação


Os verdadeiros são fabricados com a planta Cyperus Papyrus, super resistentes, podendo durar mais de mil anos, já os falsos, geralmente são fabricados com a fibra da bananeira e são extremamente frágeis. 

Para fabricar as folhas de papiro, é utilizada a parte interna do caule do papiro, cortado em finas tiras que eram posteriormente mergulhadas em água e vinagre por seis dias, depois eram colocadas de forma cruzadas para serem prensadas entre tecidos de algodão. 

Quanto ao preço é comum lermos em blogs que os preços iniciais praticados são super inflacionados como tudo no Egito, e que chegar as lojas por conta própria, pode ser uma alternativa de buscar preços mais atraentes, já que não terão que pagar comissão aos guias e taxistas. Na loja que visitamos, todos os preços estavam fixados em cada obra, as menores custavam em torno de $25 para os artistas que estavam iniciando no ramo. Já os maiores feitos por artistas mais experientes, passavam facilmente dos $200 podendo chegar a $700. Ao fecharmos a compra de algumas unidades, ganhamos descontos e outras obras de menor valor como brinde. 

Pirâmides de Gizé

Se você chegou no Cairo à passeio, com certeza sua maior ansiedade, é a de chegar o quanto antes no platô de Gizé. Nele estão localizadas a Esphinge, as Tumbas e as Pirâmides, com destaque para a Pirâmide de Quéops - mais conhecida como a "Grande Pirâmide", a última das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.
 
Imagem por satélite do Google Maps - Platô de Gizé x Subúrbio de Gizé
Muitos se dizem um pouco decepcionados pela proximidade do subúrbio com as Pirâmides. Acho que várias pessoas ainda imaginam que para chegarem até elas, teriam que atravessar alguns quilômetros de deserto em camelos ou charretes.

Chegar até as pirâmides parecia simples. Combinaríamos o passeio com um taxista para nos levar e buscar. Lá compraríamos as entradas para as atrações que quiséssemos. 

As coisas começaram a mudar quando entramos no táxi. A caminho das pirâmides, o motorista fez a primeira parada na Fábrica de Papiros. Após sairmos de lá, o motorista tentou fazer a segunda parada em uma loja que vendia trajes típicos mas não aceitamos a parada e pedimos que nos levasse diretamente para as pirâmides. Não adiantou, fez uma última parada em uma loja que vendia pacotes para os passeios até as pirâmides. Fomos convencidos a descer e conhecer todas as dificuldades impostas pelo funcionário. Nativos "atacando" os turistas por gorjeta, forte sol, grandes distâncias a serem percorridas, filas intermináveis para compra de ingressos,por aí vai. 

Fomos convencidos e contratamos um passeio de $120 USD por 2 horas, incluindo:

- charrete para 2 pessoas;
- água mineral;
- todas as entradas (não precisaríamos lidar com dinheiro para comprá-las);




Apesar dos ingressos terem sido mostrados ainda na agência, todas as entradas de acesso as atrações eram feitas de forma ilegal.
 



O guia acertou o pagamento com os guardas enquanto aguardávamos na charrete.





Pagamento acertado, tivemos que entrar rapidamente para nos misturarmos a todos os outros visitantes que haviam entrado pelo portão principal. A propósito, não recomendo este tipo de transporte, os animais apanham muito, vou fazer o possível para não utilizá-los em outras viagens.








Área próxima a Grande Pirâmide








Pirâmide de Quéops











Pirâmide de Quéfren







Pirâmide de Miquerinos
Esfinge

Esfinge




32 comentários:

  1. Pô rolou um desânimo agora depois de ler seu post. Estava planejando passar por lá em Outubro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Junio, não desanima, apesar de tudo, vale muito à pena essa viagem... tento colocar o que realmente ocorre, não com a intenção de desanimar mas de deixar as pessoas mais precavidas diante de situações chatas! Abraços

      Excluir
  2. Parabéns pelo relato João!

    Esse "pé no saco" dos nativos lembra um pouco o Brasil, pq aqui os "nativos" tb avançam nos turistas querendo vender qualquer porcaria, sempre inflacionando os preços ou tentando dar algum golpe no turista!

    Gostaria de aproveitar e perguntar sobre a segurança em tempos de conflitos políticos/religiosos. O que vc sentiu nas cidades visitadas?

    Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred, muito obrigado! Tem muita coisa para postar ainda, tanto que coloquei "postagem em andamento", espero continuar o post assim que possível com mais informações úteis! Abraços

      Excluir
  3. Muito interessante, gostei do relato, o Egito esta na minha lista de lugares para visitar, quase fui para la umas 3 vezes.
    Acredito que essa abordagem dos locais deva ser parecida com a India, onde toda hora alguem te mostra a mao pedindo gorjeta, e nao tem nada a ver com o Brasil, que atende bem o turista estrangeiro.
    Parabens pela viagem e pelo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Romeu, o problema todo é que eles não estendem só a mão para te pedir um trocado. Eles tentam te enganar na maior cara de pau mesmo e o tempo todo. Abraços

      Excluir
  4. João, o pior é que tudo isto é verdade.E ainda tem gente que reclama do Brasil que para alguns, como o Bart Simpson, só tem mulheres nuas e animais pelas ruas. Seu alerta é bom e serve pra quem quer ir para o país das pirâmides cuja cultura dispensa maiores comentários. No mais é se programar e ler sites come este.
    abs
    Paulo Ramos de Alvarenga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, com certeza informações desse tipo espalhadas por blogs com essa finalidade não são encontradas em guias de viagem! Um abraço e obrigado pelo comentário

      Excluir
  5. Filho Zinhão,
    Seu texto é um convite ao Egito. Mesmo com todos aqueles 'acidentes de percurso' que lá vivenciamos, em função da instabilidade política, suas observações e fotos mostram que quem gosta de viagens, de aventuras por terras onde há cultura, de fato, deve se dirigir à terra dos faraós, das pirâmides, do Nilo, de Alexandria e Luxor e de tantos outros encantos. Passados alguns meses, hoje posso afirmar que valeu à pena aqueles dias que passamos juntos naquela terra tão longínqua e cheia de mistérios. Só não me convite a voltar lá, pelo menos enquanto não acontecer nova eleição e a normalidade ( pelo menos a que os egípcios conhecem) voltar.
    Forte abraço
    João A. P. Direnna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha teremos que voltar lá quando as coisas melhorarem! Mas antes iremos fazer outras viagens juntos e bem mais tranquilas! Obrigado pelo comentário pai! Beijo

      Excluir
    2. Estamos indo em maio para lá e já fico imaginando os vendedoras, fui para Camdodia e Bali que não é diferente. Saídas de restaurantes, museu, templos etc...os vendedores sempre estão aguardando e se resolve comprar de um vem um monte querendo vender também. Estou um pouco "vacinada" de vendedores mais acaba ficando chato às vezes /:

      Realmente não tem nada parecido com o Brasil. Fui a passeio no Brasil a dois anos atrás e não passmaos por nada disso.

      Por mais que tenha esses imprevistos ainda vale a pena conhecer esse mundão lindo.

      Excluir
    3. jackhammer3660, exatamente, vale muito à pena! se precaver é importante, estudar um pouco sobre o lugar e estar preparado. Boa viagem e espero retorno de sua experiência!

      Excluir
  6. Ooi, boa tarde João...
    É seguro e "facil" como falam, tirar o visto quando chegar no aeroporto do Cairo... ou é melhor tirar no Brasil mesmo ? Pesquisei bastante a respeito disso, mas tenho medo de chegar lá e acontecer alguma coisa...

    obrigado, desde já !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ri mtm, desculpe pela demora... Fácil e prático é sim, mas como em todo processo de visto , pode acontecer de negarem por alguma razão, sendo assim, nem te informarão o motivo. Então a minha indicação é, saia daqui já com o selo no passaporte, e relatos de sucesso nem sempre funcionam em todos os casos e circunstância, ainda mais que a situação política lá está instável há muito tempo e não sabemos que critério eles podem adotar da noite para o dia. Como mencionei no meu relato, saímos do país e quando retornamos tivemos que tirar novo visto de entrada, sem problemas. Se for o seu caso já solicite um visto com múltiplas entradas, é a melhor e mais barata opção. Abraços, continuo a disposição para esclarecimentos ao meu alcance. Se tiver um tempo, curta a nossa fanpage para divulgar o blog na rede social: https://www.facebook.com/voualifora

      Excluir
  7. Ooi, boa tarde João...
    É seguro e "facil" como falam, tirar o visto quando chegar no aeroporto do Cairo... ou é melhor tirar no Brasil mesmo ? Pesquisei bastante a respeito disso, mas tenho medo de chegar lá e acontecer alguma coisa...

    obrigado, desde já

    ResponderExcluir
  8. Ola
    Para quem pretende viajar a Egito aqui deixo contato de Guia que fale Portugues !
    http://viagemehistoria.com/egito-dica-de-guia-turistico/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Hadi, conhecer o Egito com guia torna a experiência dos visitantes mais fácil e segura, com certeza! Abraços

      Excluir
  9. João,

    acabei de voltar do Egito! Seu blog foi um dos que mais me ajudou com informações, assim como os blogs da Lucila Weber (The Hotel Wife), Glauco Maldonado (Viagem & História) e Caroline Guelber (Vícios de viagem).

    Olha concordei muito com tudo o que você postou no seu blog! Principalmente na mania cultural dos egípcios quererem se aproveitar dos turistas. Assim que cheguei no aeroporto, mal desembarquei do avião procurei um banheiro, e lá estava o carinha que segura os papéis para secar a mão, cobrando gorjeta! Comecei a rir! início de viagem tudo é alegria. No final já secava as mãos na minha calça quando sentia que ia ser extorquido!

    Conforme meu comentário anterior, imaginava que seria igual o Brasil, com povo tentando dar golpe nos turistas e tentando vender porcaria. É bem parecido. Não é como o outro usuário comentou, ser parecido com a Índia... É agressividade mesmo!

    Em relação ao visto no aeroporto se deu da seguinte forma:


    O visto já está custando U$$25,00. Realmente é muito fácil obtê-lo, basta sair do avião e ir andando em direção às esteiras de devolução de bagagem. Ao chegar defronte à imigração, no lado direito existirão dois bancos que vendem o selo do VISA (tudo muito perto um do outro). Só dar a grana, pegar o selo e colar numa das folhas do passaporte. Após, dirija-se à imigração e entregue o passaporte com o cartão de imigração preenchido (você recebe esse cartão no avião, durante o voo). O oficial de imigração vai carimbar e te devolver o passaporte. Pronto, está no Egito! Depois que vc sair da imigração é que você pega sua bagagem na esteira.

    Eu tive um probleminha na imigração. Ficaram olhando meu passaporte um bom tempo e depois me tiraram da fila, isso após terem chamado oficiais superiores. Perguntei se havia algum problema com meu passaporte, sendo que só obtinha respostas em árabe!! Ou seja, não entendia nada! Depois me levaram para outros policiais que estavam à paisana, os quais chamaram um intérprete para inglês. Fizeram algumas perguntas. Uma que me chamou atenção foi se eu era brasileiro!!! No final, perguntaram o que eu fazia no Brasil, e como tenho a mesma profissão deles, pediram minha ID profissional, a qual foi mostrada, tendo recebido pedidos de desculpa e uma ótima estadia no Egito! No começo não entendi bem o motivo de suspeita, pensei em ser pelo fato de viajar sozinho, mas creio que o problema foi outro: pensavam que eu era egípcio!!! kkkkkkkkkkkk E olha que não tenho cara de árabe, pelo menos eu nunca imaginei isso!! Em dezenas de lugares que passei as pessoas começavam a me cumprimentar em árabe e puxar papo em árabe. Quando falava que não era egípcio em inglês as pessoas me olhavam espantadas! Daí passei a dar uma "zoada" também né?!! Aprendi a dizer "sou daqui" em árabe e dizer o nome de um bairro do Cairo! sempre que me perguntavam "where r u from?" eu respondia a frase aprendida! era muito engraçado!Escapei de muitos vendedores chatos graças a minha "latinha egípcia"!!! O meu guia disse que eu era muito parecido com egípcio. Até na Jordânia pensavam que eu era egípcio.

    Por falar em guia, contratei um guia que fala português fluente, IHAB, o qual foi indicado pelo blog do Glauco Maldonado (Viagem & História). Recomendadíssimo! segue link das avaliações do mesmo: http://viagemehistoria.com/dica-de-guia-turistico-no-egito/

    Agradeço por você compartilhar as dicas através do seu blog!

    Abraço,

    Fred

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora fiquei curiosa para ver o Fred...hihihihi

      Excluir
  10. Fred, fico feliz em poder ter contribuído com informações que lhe foram úteis. Mas que aventura essa sua também hein? Vou atualizar a postagem com a sua informação do valor do visto, te menciona rei nela. Realmente é bastante prático adquirí-lo fizemos isso ao retornar ao Egito vindos da Turquia. Tirando os "mesmos" já previstos estresses, o Egito atendeu suas expectativas? Abraços e obrigado.

    ResponderExcluir
  11. João, parecia que tu estava descrevendo os dois dias que fiquei no Cairo. Uma decepção! Ainda bem que fiquei apenas dois dias mesmo, voando na sequencia para Sharm El Sheik. Esse sim, um lugar fantástico!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre, isso só confirma que há muitos anos a situação é a mesma e não deve mudar. Vou atualizar o post para chamar a atenção aos nossos leitores para essas rápidas confirmações que vocês tem registrado aqui. Obrigado e abraços

      Excluir
  12. BOM DIA João !!!
    OlA a todos meus amigos queridos brasileiros.
    e muito bom ver amigos brasileiros escrevendo sobre egito bastante detalhes ,mas acho para conocer egito de verdade precisa de ver e conocer atraves de falar com as pessoas andar pelo as ruas ,eu sou egípcio ,faz 10 anos trabalhando com brasileiros como guia egiptologo, no caso de precisar de ajuda ,não fique com dúvida escrever para mim meu e-mil e
    egipto_1000@hotmail.com

    bastante dicas sobre mim como guia voce acha nesse site

    http://glaucoadams.com/dica-de-guia-turistico-no-egito/

    Abraço,

    ResponderExcluir
  13. Obrigado por compartilhar belo post sobre o Egito belos lugares. O Egito é muito maravilhoso e famoso lugar. Cada enorme nenhum ano. de turistas vem visitar. Sempre que estamos indo para qualquer destino turístico, temos de pensar sobre o orçamento. Há muitos agentes de viagens que oferecem vários tipos de pacotes de viagem de acordo com o orçamento das pessoas.

    ResponderExcluir
  14. Ótimo post. Matei a saudade da viagem que fiz ao Egito em 2012.
    Mas discordo quando diz que deveria ficar em um resort afastado e não ter contatos com nativos. Acho que o fator mais importante de uma viagem é o contato com a cultura local, poder conversar com nativos e viver um pouco a experiência deles. Sim, eles são chatos e agressivos com a gorjeta. Fiquei nervoso no primeiro dia, mas no segundo já parava para conversar e comecei a entender que "faz parte do show". Até por que eu dava uma moeda quando necessário e se somar tudo nos 12 dias que fiquei em terras egípcias não fez muita diferença no orçamento. Por outro lado posso dizer que conheço um pouco mais esse povo e seus costumes.
    Abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O contato é realmente muito importante e interessante, mas em alguns destinos temos que levar em conta certas exposições e pela experiência que vivi no Egito me fez pensar que quanto menos ficar pagando de turista, melhor! Abraços amigo e obrigado pelo comentário!

      Excluir
  15. Melhor viagem da minha vida

    Egito 26 de janeiro a 04 de fevereiro de 2012

    ResponderExcluir
  16. Olá amigos eu sou um guía turístico egipcio de fala português no Egito e eu podería atender os Senhores para tirar todas as dúvidas a respeito do Egito.Meus contatos são os seguintes:
    E-mail :mlgyr79@yahoo.com
    Facebook : Mohamed Hussein Eldaly
    What's app : 00201114282794
    Nome de fama:Mohamed Zakaria

    ResponderExcluir
  17. Boa noite gostei muito do seu blog, está de parabéns! Eu também egípcio moro em parana curitiba meu nome hatem feliz ano novo todos nós  .
    hatemgad3@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite gostei muito do seu blog, está de parabéns! Eu também egípcio moro em parana curitiba meu nome hatem feliz ano novo todos nós  .
      hatemgad3@gmail.com

      Excluir

Dúvidas? Pode perguntar...